quarta-feira, 6 de outubro de 2010

um.


oiço a chuva cair lá fora sobre as folhas amarelecidas das videiras
e pingar pelas uvas em cacho quase maduras.

penso: o teu corpo nu.

e os meus dedos a escorrer em carícias
a intumescer cada poro da tua pele morena.

a água morna a escorrer
aos sentidos em volúpia incandescente.

o desejo emana lascivo
aos poros ávidos.

há carícias em corrente fogo
a desaguar na foz do incêndio.

entrega plena dos corpos amantes.


2 comentários:

luz efemera disse...

E o iluminado escreve tanto poesia que expressa paixão, como outros textos mais interventivos na sociedade...

Continue assim...iluminado!

Abraço

sempre eu disse...

Bom dia,

Preciso de entrar em contacto consigo. Sou jornalista do programa você na tv da tvi e estou a fazer uma reportagem sobre carpideiras. li num forum que sempre se habituou a ver carpideiras na sua terra, por isso precisava da sua ajuda para encontrar alguma.
Obrigado

Pode entrar em contacto atraves do numero 91 240 72 32.

Cumprimentos,

Vasco Pinto